Started as a baby, now I’m all grown up

Quando dizemos que 2018 foi um grande ano para uma das rainhas mais infames de Drag Race, a senhorita Shangela Laquifa Wadley, estamos falando bem o mínimo.

Shangela na capa da revista Gay Times, fotografada por Taylor Miller
Shangela na capa da revista Gay Times, fotografada por Taylor Miller

Após um retorno memorável ao Workroom de RuPaul para All Stars 3, e mais uma vez recentemente para o Especial Rainha do Natal, Shangela passou a maior parte do ano em turnê pelo mundo.

Mas foi seu papel de destaque no sucesso de bilheteria indicado ao Globo de Ouro Nasce Uma Estrela, que levou a rainha do Texas ao próximo nível. Estrelando ao lado de Lady Gaga e Bradley Cooper, Shangela provou que seu charisma, uniqueness, nerve and talent sempre foram destinados a Hollywood – e isso pode continuar por muito tempo.

Na última edição da Gay Times, em conversa com sua boa amiga e atriz Lena Waithe, Shangela recorda o processo de audição para sua grande estreia no cinema, explica por que ela continua voltando para Drag Race (e continuará a fazê-lo), e suas esperanças por uma representatividade LGBTQ adequada em Hollywood no futuro próximo.

Ela “trabalhou duro, ela pagou suas dívidas”, e o mais importante é que faz o mundo todo gritar halleloo

Foto preto e branco de Shangela deitada no chão
Foto: Taylor Miller para a Gay Times

Lena Waithe: Shangela, não acredito que eles realmente me deram perguntas para te fazer. Eu estava tipo, ‘Oh eu vou fazer as perguntas!’ Você me conhece, eu posso fazer perguntas o dia inteiro. Eu basicamente te entrevisto toda vez que me sento na sua frente. Então, vamos lá: seja você, seja honesta quando responder minhas perguntas. Não me dê as respostas de Hollywood!
Shangela: Oh, aqui vamos nós!

Eu provavelmente sei a resposta para isso, mas eu acho que seria bom para os leitores saberem como foi a história. Mas como foi que você conseguiu um papel em Nasce Uma Estrela?
Bem, originalmente eu não fui para o teste porque eles estavam fazendo uma seleção para uma drag imitadora da Marilyn Monroe. Eu senti que não importa quanto tempo eu passei fora do sol, eu não vou parecer com Marilyn Monroe. Então eu acabei nem indo. A próxima coisa que eu sei é que eu recebi um e-mail do empresário de Gaga e ele disse: ‘LG ouviu que você não vai ao teste, ela realmente quer ver você nesse papel e acha que você seria uma boa escolha. Você não está planejando tentar?’

“Eu pensei, ‘Oh querido, se a LG está pedindo…’. “

Peguei a peruca loira mais próxima e o vestido branco, e coloquei uma pequena pinta, entrei e cantei I Wanna Be Loved By You da Marilyn, mas não conseguiu o papel. Na verdade, quando saí, recebi uma ligação do meu agente e ele disse: ‘Você não conseguiu o papel de drag queen’, que na verdade acabou sendo de uma [drag] Etta James. No entanto, eles gostaram tanto da minha personalidade que me ofereceram um papel maior com mais diálogos como a mãe drag de Gaga e o dona do bar.

Shangela no topo de um prédio com um casaco de pele falsa vermelho
Caaco e cinto de Christian Siriano e colar Swarovski. Foto: Taylor Miller

Que incrível. Bem, agradecemos a Lady Gaga por pensar em você. Eu sabia que gostava dela. Ela tem bom gosto. Obviamente, muitas pessoas conhecem você, porque se você vai ver Nasce Uma Estrela numa terça-feira à noite, então as chances são de você assistir a RuPaul’s Drag Race. Então, algumas pessoas sabiam disso antes, mas estou curioso para saber o que RuPaul fez do seu papel no filme? Ele deve ter ficado realmente empolgado e orgulhoso por alguém que ele viu e sabia que era uma estrela lá atrás, chegou a estar em um dos maiores filmes do ano?
Sim, eu certamente espero que sim. Eu não tive a chance de entrar em contato com Ru desde o lançamento do filme. Eu sei que ele estava na estreia de Los Angeles, e estou ansiosa para saber quais são seus pensamentos. Mesmo que não dê para conversarmos cara a cara, eu sempre quero deixar Ru orgulhoso porque ele me deu uma chance na segunda temporada, e depois me trouxe de volta para a terceira temporada. Isso significa muito para mim e espero deixá-lo orgulhoso.

“Espero deixá-lo [RuPaul] orgulhoso”

Ah, olhe, tenho certeza que você deixa. Aqui está outra pergunta, porque você teve um gostinho desse tipo de Hollywood, que é muito grande e muito barulhento: é aqui que você quer continuar? Eu sei que você quer atuar mais, e eu sei que você quer começar a atuar nem sempre de drag, mas estou curiosa para saber se você quer continuar fazendo filmes assim?
Bem, a resposta é sim. Você me conhece, eu sou uma garota trabalhadora, querida. Qualquer trabalho, vou tentar. É difícil me manter em um só lugar. Espero, em 2019, dar mais ênfase ao trabalho na televisão e no cinema. Eu fiz algumas coisas pequenas aqui e ali, mas eu realmente gostaria de ser um artista na tela, não apenas em realities, mas também na ficção. Então a resposta é sim! Há pessoas ótimas por aí com quem eu realmente quero trabalhar… Lena Waithe é uma!

Vestido de Greta Constantine e luvas Vex Clothing. Foto: Taylor Miller

Bem, nós já trabalhamos juntos antes – antes mesmo de Hollywood. Nós sempre vamos trabalhar juntos.
Body of a Barbie! O clássico.

Vai, conta! Eles ainda podem encontrá-lo no YouTube – um de nossos primeiros trabalhos.
Se você quiser ver alguns trabalhos antigos de Shangela com a grande Srta. Lena Waithe quando ela estava apenas começando, vá encontrar o filme Body of a Barbie que foi realmente reconhecido pela BET em seu programa de curtas, ok.

Isso mesmo. Nós sabíamos que éramos estrelas, mas precisávamos esperar que o mundo descobrisse.
Halleloo!

Todos sabem que você parece ter um pouco de vício e amor por RuPaul’s Drag Race porque continua voltando. O que te mantém voltando ao show? Existe algum momento em que esse será o fim de um capítulo, ou será um lugar onde você sente que pode sempre voltar?
Bem, quando RuPaul liga eu gosto de responder. É por dois motivos, na verdade. Um deles são meus fãs com quem eu cresci em Drag Race. Eles me viram quando entrei pela primeira vez com um sonho e sem maquiagem – ok, segunda temporada! Eu sempre quis que eles se sentissem como – em suas vidas mesmo – não importa quantas vezes tenham te dito não, continue insistindo até o sim. Você sempre pode voltar. Então essa é a primeira parte. A segunda parte é que eu sou fã do show. Eu assisto todos os anos, todas as temporadas, quer eu esteja nela ou não. Então, para fazer parte desse legado, eu sempre vou querer voltar.

“Sou fã do show [RuPaul’s Drag Race]. Eu assisto todos os anos, todas as temporadas”.

Ok, tudo bem com isso.
Talvez na mesa dos jurados em vez de ser um concorrente.

Sabe? Eu acho que seria um grande momento de completar um ciclo – se uma das queens chegasse ao nível de celebridade em que você pode ser uma jurada. Isso ainda nunca aconteceu, não é?
Não – não para estar no painel de jurados. Uma de nós um dia [vai estar lá], e eu espero que seja eu.

Fala sério! Não tem problema. Aqui está uma pergunta interessante para você falando de chegar a um lugar onde as pessoas podem realmente aspirar: nós estabelecemos que RuPaul é um herói queer, mas além dele, quem é alguém em que você se inspira e que também seja queer?
Eu diria que quanto aos meus heróis queer, há alguns. Eu olho para você como alguém – não apenas porque você está falando comigo agora -, mas por causa de sua rotina e agitação é algo que eu sempre admirei. Sabe? Estou cansada, mas sei que a Lena está cansada também, então vou continuar. Continuar criando projetos muito legais, e não apenas falar sobre eles, mas vê-los acontecer. Mas além disso, você sabe que eu não posso nem falar sobre heróis sem mencionar a lenda que é Jennifer Lewis.

Vestido de Hildur Yeoman. Foto: Taylor Miller

Ah eu sei! É por isso que eu especifiquei queer!
Ela tem sido uma defensora queer por muito tempo, e esteve em filmes que tinham uma grande afinidade para nós, que eram filmes queer de certa forma. A Volta de Jackie – Retrato de uma Vida não foi um filme queer, mas não há nada além de gays que amam A Volta de Jackie. Ou O Justiceiro: Roupa Suja. Esses são filmes que tiveram um impacto em mim como queer, e ela é tudo.

Tudo bem colocá-la como uma aliada queer. Você sente que em algum momento podemos ter um grande sucesso de bilheteria de Hollywood como de verdade – isso não é shade a Com Amor, Simon porque ele foi lançado e se saiu muito bem – mas em termos de um grande sucesso, você acha que podemos ter um personagem queer no papel principal? Eu sei que parece um pouco distante e um grande sonho, mas eu estava curiosa para saber se você poderia falar sobre a possibilidade de que isso aconteça em nossa vida.
Sabe, quando eu estava crescendo quando criança em Paris, Texas, eu nunca pensei que seria uma possibilidade porque para mim não havia muitas – ou nenhum – pessoas gays abertamente assumidas em papéis principais na televisão e no cinema. Então eu não senti que isso seria uma possibilidade. Hoje, acho que é um sim definitivo.

“Mostramos o poder não apenas do dólar queer – não apenas aqui nos EUA, mas em todo o mundo – mas também que as pessoas têm um grande fascínio pela cultura queer. “

Além disso, as pessoas são muito mais favoráveis ​​aos artistas queer que estão por aí vivendo seu verdadeiro eu enquanto perseguem seus sonhos. Só tem que haver o roteiro certo ou o filme certo para que todos possam se apegar, e tenho certeza de que isso definitivamente poderia acontecer.

Sabe o que? Eu realmente acredito em você. Infelizmente, acho que uma grande parte do nosso fardo é que quando fazemos algo… porque, como Moonlight, acredito que foi uma obra-prima, mas é um pequeno filme artístico. Então para mim é tipo, quando podemos ter um Homem de Ferro gay ou um Homem-Aranha que por acaso é um de nós, eu acho que é algo que… e novamente, eu sou realista e sei que estamos um pouco longe disso, mas acho que quando chegamos a esse ponto, podemos começar a dizer que superamos. Mas ainda acho que é cedo demais para começar a fazer isso.
Eu acho que você está absolutamente certa. Sabe, existem filmes convencionais aos quais muitas pessoas queer se conectam por causa do enredo. Você pode se ver como esse personagem principal. Eu acho que se nós podemos encontrar um filme que seja feito onde não importa quem você é, de onde você é, pessoa de cor, queer ou não, mas quando você vê aquele personagem em particular e você vê além de sua sexualidade ou gênero, e vê mais sobre a história e você mesmo nessa história… Sabe, quando eu assisto O Diabo Veste Prada com Anne Hathaway, eu não a vejo como uma jovem branca, eu a vejo como eu! Eu quero ir trabalhar lá, e eu quero estar lá fora, correndo atrás do meu sonho, que é dito não, mas você imagina como fazer isso funcionar. Então eu acho que é onde tem que ser a história certa.

“Alguém tem que se arriscar para que as pessoas possam ver além da nossa identidade gay e nos ver apenas pelo nosso caráter.”

Casaco de Lawrence & Chico. Foto: Taylor Miller

Olha, concordo totalmente com isso. Eu acho que você está realmente certa em termos de pessoas que se conectam com certos filmes, porque mesmo que eles sejam heterossexuais, os personagens são estranhos ou sentem que são de uma cidade pequena e são um peixe fora d’água. Essas são histórias com as quais nós, pessoas queer, podemos nos relacionar, então acho que você está certo de que nós já fazemos isso nesses filmes queer, mas temos que chegar ao ponto em que estamos no banco da frente. E então a última pergunta que eu vou fazer a você: olha, isso é um grande negócio – você está na capa da Gay Times. Estou muito feliz em estar entrevistando você por isso. Mas como você se sente? Sabe, falando daquele personagem de Anne Hathaway, da garota que vem para a cidade grande para conseguir um emprego e ela acaba se tornando grande e fazendo todas essas grandes coisas que ela só sonhava – isso está acontecendo com você. Nós duas tivemos a chance de assistir a jornada uma da outra, e mesmo enquanto continuamos porque eles ainda não viram nada! Nós ainda temos muito o que fazer. Mas como é para você ter essa conquista para estar na capa do Gay Times?
Isso me faz sentir como se eu tivesse dado outro grande passo na direção certa. Eu me sinto feliz, me sinto orgulhosa. É algo que eu posso mostrar a minha avó. Quando as pessoas achavam que eu ia ser drag só por um tempo e eu estava jogando tudo fora, tipo, ‘Você tem um diploma universitário. Você tem um emprego. O que você está fazendo?’ Isso só mostra que eu fiz algumas boas escolhas em minha vida e trabalhei muito para fazer as coisas acontecerem. Estou tão feliz que as pessoas possam ver isso. Não apenas a ver, mas espera que se inspirem em suas vidas diárias. É muito especial para mim. Eu sou uma garota da capa!

Eu já fui uma garota da capa algumas vezes e é sempre uma alegria. Não apenas por causa do que está acontecendo comigo, mas porque sei o impacto que isso terá nas pessoas quando elas estão em uma sala de espera, ou quando a assinatura chega à sua casa, ou quando elas estão andando rua, eles podem, em essência, se ver na capa.
Lena isso que você está dizendo é tão verdade porque eu me lembro de quando eu estava andando pelo aeroporto e vi sua capa da Vanity Fair e eu fiquei tipo, ‘Aquela é minha amiga e não apenas isso, é alguém que eu conheço que está aqui trabalhando’. Você pode tentar centenas de coisas, e só uma ou duas darem certo. Mas essas são todas vitórias. Vendo essa capa, não é apenas sobre a vaidade de estar nela, é o fato de as pessoas poderem ver e é exatamente o que você está dizendo, elas podem se inspirar nisso. Então isso significa muito para mim. E eu estou linda!

Por favor, não tinha como você não conseguir! Eles não precisam nem de Photohsop. DJ, eu me diverti muito conversando com você. Estou tão feliz por poder fazer isso. Eu te entrevisto a hora que for preciso!
Vou lembrar disso! Eu te amo. Miss Brooks!

Miss Brooks! Não podemos contar a ninguém o que é essa história porque você vai envergonhar a si mesmo e a todos os outros. É um clássico. Você tem que guardar a história para o seu show.
Eu vou!