Rodrigo Ambrogi, de 19 anos, foi vítima de um assalto na madrugada do último domingo, dia 15, no centro de São Paulo. O rapaz, gerente de uma boate LGBT, conseguiu imobilizar um dos ladrões e, ao pedir ajuda a um homem que saía de seu prédio, foi agredido até desmaiar.

“Não quero gay brigando na frente da minha casa”, teria dito o agressor, segundo a IstoÉ.

O rapaz costuma ir comer um cachorro-quente por volta das 5h da manhã antes de fechar a boate. Ao fazer o mesmo no domingo, foi abordado por um grupo de quatro rapazes, que roubaram seu celular.

Rodrigo até foi agredido pelos assaltantes, mas um grupo de jovens que saía da boate cercou os criminosos e ligou para a Polícia. “Tentamos esperar lá, mas um dos rapazes saiu correndo e Rodrigo foi atrás dele”, relata Kaique Santos, de 19 anos.

A vítima conseguiu alcançar o ladrão próximo ao Shopping Frei Caneca, por volta das 5h20 da manhã, momento em que um carro branco saía de um prédio da região. Rodrigo pediu ajuda mas conta que “o cara simplesmente colocou o carro mais para frente, saiu e começou a socar o meu rosto. Eu desmaiei e não lembro de mais nada”.

Em meio à confusão, o suspeito do roubo fugiu. “O homem só parou quando Rodrigo apagou”, diz a prima da vítima.

Rodrigo sofreu fratura no nariz, ficou com hematomas pelo corpo e recebeu alta na tarde de segunda-feira.

Os familiares do rapaz foram ao local e conseguiram imagens de câmeras de segurança. Testemunhas reconheceram o agressor como sendo um homem forte e de barba, que usava uma camiseta e um boné. O caso foi apresentado no 2º Distrito Policial, no Bom Retiro.