Finalmente, a Gilead Sciences concordou em quebrar sua patente um ano antes do previsto.

A Gilead Sciences – a empresa farmacêutica que detém a patente do altamente eficaz medicamento de prevenção do HIV Trvuada, ou PrEP – está liberando sua exclusividade do medicamento mais cedo do que o esperado, o que significa que uma versão genérica do Truvada estará disponível já em 2020.

De acordo com a Advocate, a Gilead concederá à Teva Pharmaceuticals, a maior empresa de fabricação de medicamentos genéricos do mundo, direitos exclusivos para uma pílula Truvada genérica a partir de 30 de setembro de 2020.

Isso é um ano antes do esperado, pois a patente da Gilead expiraria em 2021.

A notícia vem depois de anos de ativismo em nome de ativistas de HIV/AIDS, que argumentaram que o absurdo aumento de preço do Truvada tornou a droga salva-vidas inacessível às populações de baixa renda com alto risco de contrair o HIV.

Esse aumento de preço é de impressionantes 25.000%, o que significa que as pessoas sem plano de saúde pagam cerca de US$ 1.600 por um suprimento de 30 dias de um medicamento que custa US$ 6 por mês nos Estados Unidos.

É isso mesmo: custava SEIS dólares. Hoje custa MIL E SEISCENTOS!

Também vem quase dois anos depois que o FDA aprovou uma versão genérica do Truvada. A patente da Gilead paralisou qualquer movimento naquela frente, até agora.

Embora o acordo da Gilead em romper a patente antes de sua data de validade original seja certamente motivo para comemorar, não é uma vitória total.

Em uma declaração, Aaron S. Lord, médico e porta-voz da # PrEP4All e #BreakThePatent, disse que a falta de transparência da Gilead sobre os detalhes de seu acordo exclusivo com a Teva é preocupante:

Até mesmo seu anúncio hoje deixa a Gilead com direitos exclusivos para a Truvada como PrEP por mais 15 meses e a Teva como a única fabricante de genéricos no mercado dos EUA. Isso fará pouco para reduzir o preço de uma forma que aumentará o acesso e o [movimento] PrEP4All permanece desconfiado dos termos e da falta de transparência em torno do acordo da Teva.

Espera-se que a Teva tenha direitos exclusivos por cerca de seis meses, portanto alternativas mais baratas para o Truvada devem estar mais amplamente disponíveis por volta de 2021.

No Brasil, a PrEP está disponível gratuitamente pelo SUS desde 2017 (veja onde conseguir a PrEP). Resta saber se, com esses aumentos abusivos até 2020, o tratamento permanecerá gratuito.