Uma das maiores estrelas da mais recente temporada, Peppermint se tornou a primeira participante transgênero a chegar até a final, que teve como vencedora a Sasha Velour.

A finalista da nona temporada do reality conversou com a revista Attitude, revelando como é ser uma participante de RuPaul’s Drag Race – e não é tão fácil quanto você pode pensar. A estrela admite que os produtores são determinados em capturar todas as lágrimas e brigas, tanto que as participantes são proibidas de interagirem quando param de gravar.

“Quando a câmera está rodando, é tudo aquilo que você vê na TV. Mas quando eles param, ninguém tem permissão de falar”, ela conta.

“Eles não querem que relacionamentos de desenvolvam, ou conflitos se resolvam longe das câmeras, e isso pode ser muito isolador. Apesar disso, é surpreendentemente franco. Eles te dão jogos e dizem para você fazer alguma coisa, e começam a filmar”.

Os espectadores da nona temporada viram Peppermint se assumir transgênero para suas colegas no meio da temporada, e a nova-iorquina espera que seu sucesso abra portas para outras artistas drags que não se identificam como homens gays cis.

“Existem muitas pessoas trans que acham que drag queens não têm espaço na comunidade trans. Eu queria conhecer as garotas antes de me assumir para elas”, Peppermint explica. “Agora eu posso dizer que sou a primeira finalista [de RuPaul’s] trans, a mais próxima da coroa que qualquer outra mulher trans.”

“Agora é possível que uma mulher trans, talvez até uma mulher cis, ganhar a coroa da próxima vez”.

Arrasou, Peppermint! ♥