Uma mãe irlandesa compartilhou sua poderosa história de criar um filho trans e disse que seu filho Steve sabia que havia sido designado o sexo errado quando tinha apenas dois anos de idade.

Aisling Gannon disse ao Ray D’Arcy Show, da RTÉ Radio, que seu filho tinha dois anos e meio de idade quando perguntou pela primeira vez quando “teria as partes certas”.

Desde então, Steve – que agora tem 11 anos – tem sido “consistente, insistente e persistente” de que é menino, disse ela.

Aisling Gannon começou a permitir que o filho vestisse as roupas que quisesse.

“Minha filha mais velha, quando nasceu, no momento em que ela podia andar e falar, era a rainha da dança, como a avó chamava.

Leia também: Pessoas trans são menos saudáveis que pessoas cis: entenda

“Ela era rosa, ela era brilhante, e o segundo filho apareceu e não era.”

Mais tarde, Steve fazia birras quando era esperado que usasse roupas de natação femininas na piscina. Aisling foi ao médico, que a encaminhou a um psicoterapeuta que disse que Steve estava tendo uma crise de identidade de gênero.

“Ele diz que sempre foi um garoto, eu apenas pensei que tinha uma garota”, explicou Aisling.

Foi-lhe dito que ela deveria permitir que Steve vestisse qualquer roupa que ele quisesse – e uma vez que ela fez isso, ele naturalmente começou a usar roupas de meninos.

“Ele ainda não tinha três anos e usava uma bicicleta sem estabilizadores e costumava usar todas essas roupas do Homem-Aranha e do Super-Homem”, disse Aisling.

“Ele andava de bicicleta à beira-mar e eu lembro que todo mundo costumava dizer: ‘Deus, como ele é lindo, como ele é ótimo’, e todo mundo achava que ele era um menino.”

Leia também: Charlize Theron revela que é mãe de uma menina trans

Steve mudou seu nome e se mudou para a turma dos meninos na escola

Steve mudou seu nome aos sete anos de idade. Ele também se mudou para a turma dos meninos na escola. Aisling disse que sua transição na escola foi amplamente positiva – e até incentivou seus professores a repensarem a maneira como trabalham.

Quando uma peça de teatro da escola estava chegando, Steve sabia que sua professora não sabia onde colocá-lo.

“Ele de pé na aula na frente dela e ela diz: ‘Eu nunca ensinarei assim novamente.’ Porque eles costumavam ter uma fila de garotas e uma fila de garotos para sair ou volta para a sala de aula ou ir ao banheiro ou o que quer que seja, e ela diz: ‘Esse pobre garoto não sabe o que fazer’. Ela podia sentir que estava se tornando um problema maior.

Leia também: É preciso ter disforia de gênero para ser trans?

Infelizmente, Steve ainda é considerado legalmente feminino porque a Lei de Reconhecimento de Gênero da Irlanda só permite que pessoas trans com 16 anos ou mais recebam um certificado de reconhecimento de gênero. 

Isso é algo que sua mãe agora está fazendo campanha para mudar.