Quantas vezes a gente já não brincou falando algo desse tipo? “Ex bom é ex morto”. “Ex bom é ex-quartejado”… Mas será que é assim mesmo?

A vida é uma sucessão de eventos. Diversas pessoas passam por nossas vidas e cada uma delas tem um papel – por menor que seja. Cada uma dessas pessoas toca a sua vida, com intensidades diferentes. Se não tocou, é porque foi você quem tocou a dela.

Todos nós já passamos por um término de relacionamento traumático. Se não passou, é porque ainda vai passar.

Todos já nos decepcionamos com alguém que amamos. E todos já tivemos o desejo visceral de querer que aquela pessoa morresse. Desaparecesse da face deste planeta que habitamos. Isso é normal. Super comum.

Mas será que isso nos faz bem? Vamos primeiro pensar no pós. No pós-rompimento, pós-decepção, sei lá. Será que nos faz bem cultivarmos um sentimento ruim em relação a alguém? Pense de uma maneira geral. Toda vez que nos dedicamos a sentir algo por alguém – seja bom ou ruim –, nós dedicamos parte da energia do nosso corpo a esse sentimento. Será que vale a pena dedicar parte de algo tão valioso quanto a nossa energia de viver a um sentimento ruim? Um sentimento que não traz absolutamente nada à nossa existência.

Não seria mais útil direcionar essa energia, de repente, para o aprendizado das relações interpessoais? O famoso “aprender com os erros”. Até porque, a gente ainda tem que pensar no pré-rompimento. Pensar no que aconteceu antes de tudo ficar a merda que levou ao fim.

Um relacionamento que acabou depois de um mês, um ano ou uma década deu errado?

Eu quero dizer: acabou, mas não houve nem um período em que tenha dado certo? Não foi bom enquanto durou? Não te trouxe coisa boa? Você não conseguiu tirar absolutamente nada de bom? Não viveu nem ao menos um momento feliz? Afirmo com segurança que sim! Se não tivesse sido bom, nem por um instante, você não teria entrado nessa relação. Quando um não quer, dois não namoram.

Então, fico feliz em te dizer: deu certo! Deu certo por 90% do tempo. Eventualmente, chegou ao fim, mas foi bom enquanto durou? Não foi?

Tire bons aprendizados dos relacionamentos que deram errado!

Nem que seja para aprender a não repetir os mesmos erros, a não cair nas mesmas cantadas, a não deixar os seus amigos de lado quando começar um novo relacionamento.

Em vez de se arrepender de ter feito, seja grato às coisas que a pessoa te ensinou, mesmo que ela nem se dê conta disso. E não deixe de se entregar. Eu já falei: é melhor ser feliz um pouquinho com alguém do que nunca ser feliz sozinho.

Então bora aprendendo, afinal, já dizia o sábio Alexandre Pires, “mas a gente aprende, a vida é uma escola”.