Nem tudo são flores na vila olímpica… Apesar de todo o progresso e inclusão, a comunidade LGBT ainda enfrenta desafios desnecessários.

O jornalista americano Nico Hines teve uma ideia: fazer um perfil no app de encontros Grindr, passear pela vila olímpica no Rio de Janeiro e conversar com os atletas que aparecessem na telinha do celular. Nada de estranho, se Nico estivesse interessado nos rapazes e nos encontros que marcou. Mas o real objetivo do jornalista era juntar material para seu artigo a ser publicado no The Daily Beast.

No artigo, estavam expostos informações sobre diversos atletas, como nacionalidade e o esporte em que competiam, e trechos de conversas com conteúdo explícito. Apesar de nomes não terem sido citados, muitos atletas foram identificados facilmente pelos leitores curiosos de Nico.

A polêmica rapidamente chegou às redes sociais, e diversos outros jornalistas se posicionaram condenando a falta de ética de Nico, e apontando as consequências da exposição causada aos atletas. Alguns desses atletas são muito novos, ainda não eram assumidos para suas equipes ou suas famílias, e outros são naturais de países onde a homossexualidade ainda é considerada um crime. Preconceito dentro da comunidade esportiva, desconcentração nos jogos e até a incerteza de poderem voltar para casa, são alguns dos problemas que esses rapazes precisarão lidar.

O nadador de Tonga Amini Fonua se pronunciou no twitter:

“(…) Algumas das pessoas que você tirou do armário são meus AMIGOS. Com famílias e vidas que serão afetadas para sempre por isso. (…) Ele deve achar engraçado que pode fazer esse tipo de coisa sem qualquer consequência, e voltar seguro para sua mulher e filhos. (…)  A homossexualidade ainda é ilegal em Tonga, e apesar de eu ser forte o suficiente para enfrentar isso, nem todos são. Respeite isso.”

Desde que o infame artigo foi publicado, o Daily Beast adicionou um anexo ao texto defendendo o jornalista, e declarando que tirar os atletas do armário “nunca foi o objetivo de nosso repórter“. Pouco tempo depois o texto foi removido do site, e Nico Hines fez uma declaração pedindo desculpas aos atletas afetados.

A repercussão do caso reacendeu diversos assuntos nas redes sociais, como o papel da imprensa, o direito de se permanecer no armário e a homofobia na comunidade esportiva. O que você acha sobre esse episódio? Deixe sua opinião aqui nos comentários ou lá na fanpage do Queer Feed no Facebook!