Mesmo hoje em dia, casais em geral têm a tendência de dividirem as tarefas domésticas entre os papéis tradicionalmente ligados aos gêneros masculino e feminino. Entre os casais LGBT não é diferente.

A sociologista Natasha Quadlin da Universidade de Indiana (EUA) descobriu que assim como nas famílias heterossexuais, os gays também utilizam as percepções de gênero como principal fator decisivo na hora de delegar tarefas. Em artigo para uma revista inglesa, ela diz:

“As pessoas ainda se baseiam nas informações sobre gênero para guiarem suas crenças de o que cada pessoa deve fazer.”

A pesquisa esclarece que nessa lógica, o membro do casal percebido como mais “feminino” tem a tendência a se encarregar de tarefas como limpeza e cuidar das crianças, enquanto o membro considerado mais “masculino” tem a tendência a assumir as tarefas de manutenção e trabalhos braçais.

Essa informação sem dúvida ilustra questões importantes a serem tratadas tanto dentro da comunidade LGBT quanto na sociedade em geral, como o sexismo e a dinâmica das famílias contemporâneas.

Fonte: Attitude.co.uk