Lady Gaga recentemente anunciou seu sexto álbum de estúdio – calando rumores de uma possível gravidez – e mudou toda a identidade de suas redes sociais para combinar com sua nova tatuagem, causando especulações sobre o nome do novo álbum.

Enquanto os Little Monsters anseiam por novas músicas, nós decidimos revisitar 13 faixas antigas de Gaga e selecionar as músicas que deveriam ter sido tratadas direito e se tornado singles!

The Fame

A música título de seu álbum de estreia, The Fame, tem Gaga gritando por qualquer coisa que a mantenha no centro das atenções (irônico, dada sua exposição massiva quando o álbum saiu). Essa é a epítome do som de clássico de 2009, com Gaga e guitarras, vocais e grandes ambições.

Summerboy

Você está andando na rua sentindo o sol no rosto, essa música está tocando, e todo cara que você passa é o seu sonho de fantasia. Todo mundo tem aquele verão a que gostaria de poder voltar, e Summerboy tem um jeito de trazer de volta aquela nostalgia toda vez.

Dance in the Dark

Mais conhecida por aquela performance no Brit Awards, dedicada ao falecido Alexander McQueen, e polêmica na época por causa da letra sobre a morte da princesa Diana e da estrela de concursos de beleza JonBenét Ramsey. Toque essa música e todos os gays na sala estarão na pista de dança gritando as letras, mesmo 10 anos depois.

Teeth

Teeth foi o pico da Gaga estranha na era do The Fame Monster, com frases como “Pegue um pouco da minha carne de menina má, mostre-me seus dentes”, com batidas fortes atrás de um pandeiro e guitarras. Qualquer um que tenha ido ao The Monster Ball Tour se lembrará de Gaga ter transitado para isso não muito tempo depois de ter sido transportada para seu próprio show por um tornado no palco (nós sabemos, mas foi em 2010, as coisas eram loucas).

So Happy I Could Die

Tornada famosa por aquele vestido vivo de Hussein Chalayan, essa música europop cheia de efeitos é toda sobre ter uma ótima noite com você e não se preocupar com mais ninguém. É divertida para Gaga em um álbum cheio de faixas que se levam a sério (Alejandro, Speechless, Bad Romance). Curiosidade: Gaga respondeu a um tweet de Lily Allen em 2012 para dizer que ela era a inspiração da música.

Scheiße

Quando o álbum Born This Way foi anunciado, Gaga prometeu “batidas dance avassaladoras” e em nenhum lugar essa promessa é mais cumprida do que em Scheiße. Abrindo com a frase agora icônica, “Eu não falo alemão, mas posso, se você quiser”, a Mother Monster canta em um jargão quase-alemão sobre um bumbo batendo. A faixa é implacável durante os quatro minutos inteiros e é tão boa agora quanto foi em 2011.

Bloody Mary

Quando essa música foi anunciada, ela veio em um momento em que tudo era conhecido como “meio caminho entre fantasia e realidade”, e Bloody Mary era uma ode a Maria Madalena sendo humana e divina ao mesmo tempo. Quem poderia esquecer os cantos de fundo de “Gaga”?

Heavy Metal Lover

Continuando a implacável série de números de dança pesados em Born This Way, Heavy Metal Lover, uma faixa de eletropop com influência techno. É pop perfection! “Eu quero sua boca de uísque em todo o meu sul loiro”, define o tom para a música e Gaga murmura sobre as letras sobre ser uma namorada durona que não está preocupada se seu homem não consegue lidar com seu comportamento ultrajante.

Sexxx Dreams

Acredita-se que este momento sensual do ARTPOP tenha sido considerado para ser single e ter participação de Rihanna devido a uma série de tweets entre as duas, mas infelizmente nenhum dos dois aconteceu. Nós supomos que a música nunca teria sido realmente apropriada para o rádio, e qualquer censura teria tirado a diversão irônica.

MANiCURE

Quase como se ela soubesse que precisávamos do hino perfeito para o esquenta, Gaga descreveu MANiCURE como sendo sobre ser manicure do seu corpo e espírito, se preparando para sair e pegar um homem ou uma mulher. “Então o refrão chega e é para ser chocante… você vai transar hoje à noite”, ela acrescenta.

Donatella

Donatella é brega e clichê e é exatamente por isso que nós amamos isso. É uma canção de amor para o guarda-roupa dela, para Donatella Versace, e para geralmente ser uma vaca rica que não se importa com a opinião de ninguém.

Dancin’ in Circles

Para ser honesto, o mundo poderia ter mais músicas sobre masturbação feminina, e neste sucessor espiritual de Sexxx Dreams, Gaga alterna entre cantar com uma voz baixa e sensual, e cantarolar a plenos pulmões sobre uma guitarra sincopada.

Come to Mama

Essa música otimista sobre como resolver seus problemas com seu amor e se tornar mais forte é um dos nossos momentos favoritos de Joanne. O ritmo otimista e as buzinas ao fundo não deixam de nos fazer querer cantar junto, particularmente durante o último refrão, onde você pode sentir Gaga se divertindo e se divertindo.

Falta muito para o novo lançamento, ô dona Gaga?

Será que se a gente der uma olhada no mapa astral da Lady Gaga, a gente consegue prever algum comportamento que entregue quando ela vai lançar coisa nova?